quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Após férias e outros afazeres de natureza pessoal, vou retomar aos poucos a minha actividade no blog.
Retomo o fio da meada, repondo duas poesias do poemário Esta brevidade das palavras:


Cantilena do vinho e da rosa


O vinho é como a rosa.
Rubro é o seu perfume.
Secreta é a sua flor.


Pequena música

Era apenas melodia.
Apenas voo de pássaro.
Era apenas o meio-dia.

António Eduardo Lico

4 comentários:

  1. A poesia nos detalhes...muito bonita percepção!
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado cara amiga.
      Bom início de fim de semana.
      Abraço.

      Eliminar
  2. E aqui a delicadeza dos eus versos em dois poemas curtos e carregados de significação. Bom sabê-lo de volta.
    Abraços,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigadom caro José Carlos.
      Bom início de fim de semana.

      Eliminar