sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Reponho uma poesia do poemário O canto em mim:


Elegia para uma flor morta

A obscura flor morta
pensa ainda no seu perfume
quando os insectos
procuram nas suas pétalas mortas
a fragrância que a animou.

António Eduardo Lico

6 comentários: