quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Reponho uma poesia do poemário Amanhecer obscuro:


Soneto da manhã obscura

 Procuro da manhã o doce orvalho
Com que possa matar a minha sede
Que da infinita noite procede
Como secreto porto onde encalho

Oh gnóstica manhã onde eu talho
O que a minha boca não me pede
E nem o deus antigo intercede
E faz macio o chão em que batalho

Oh noite portentosa e magnífica
Ardes e consomes-te como sonho
Que cada manhã em vão certifica

No meu canto agudo e medonho
Que de ser vão mas claro, dulcifica
O fresco orvalho que me imponho

António Eduardo Lico

2 comentários:

  1. Bello poema de una sutil transparencia,

    Un gusto visitarte.

    Cariños.

    ResponderEliminar