domingo, 23 de dezembro de 2012

Reponho uma poesia do poemário Este rio que corre sem águas:


Nas margens, a Esfinge...

A Esfinge habita as margens
apenas como esfinge, de pedra,
absurdamente de pedra
impenetrável ao silêncio
que lhe vem de fora;
e vive, no entanto
em total mudez, na pedra
que lhe é externa,
só, contemplativa,
fazendo do tempo pedra,
só nas margens, sem esperar nada.

António Eduardo Lico

2 comentários:

  1. ... e com sua imponência ver o tempo e tudo passar.
    Intrigante... como deve ser uma esfinge. Um abraço.

    ResponderEliminar