sábado, 1 de dezembro de 2012

Reponho uma poesia do poemário A rosa é a via:


Uma flor na névoa

Eras névoa quando nas manhãs
estendias, preguiçosa, as tuas pétalas.
Entre luz e sombra, entre noite e dia
eras fronteira invisível, um só ponto
de névoa imprecisa e tangível perfume
que esperava o meio-dia.

António Eduardo Lico

6 comentários:

  1. Lindo teus versos Eduardo!
    Uma flor na névoa,
    estou aqui imaginando a cena....
    Que belo!

    ResponderEliminar
  2. Adoro seus poemas, sua sensibilidade poeta. Que lindooo!!! Li e reli.
    Vim tb agradecer sua visita e comentários no meu novo blog. Fiquei feliz em te ver la. Bom receber seu apoio, seu incentivo. Abraços!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Regina.
      É um prazer ler os seus blogs.
      Abraço.

      Eliminar