domingo, 17 de março de 2013

Reponho uma poesia do poemário Que de dentro não se vê:


Ausência

A ausência é uma presença
na geometria vegetal das árvores
que não habitam florestas.
As florestas existem
para ter delas árvores ausentes.
Uma floresta é uma ausência de árvores?
Ou apenas o reflexo da antiga sombra
que passou, austera,
na sua nudez de negro impudica?
E que passa, passa, fazendo tocar
a música solene
que povoa todas as florestas.

António Eduardo Lico

6 comentários:

  1. por vezes a música é apenas um silêncio....

    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida Piedade.
      Obrigado pela visita e comentário.
      Uma óptima nova semana.

      Eliminar
  2. Lindo, António!!!
    Adorei a "geometria vegetal das árvores"...

    ResponderEliminar
  3. De melancolías y bosques se vistieron tus versos, amigo, y me ha encantado todo ello!...
    Tu poema se huele...

    ABRAZOS MILES.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gracias Maritza,
      Buenas noches y buena semana.
      Abrazo.

      Eliminar