quarta-feira, 12 de março de 2014

Reponho uma poesia do poemário O canto em mim:

Em Lisboa a claridade é azul

Canto-te Lisboa
e quero-te azul,
como quando o Tejo
é o azul do teu céu.

António Eduardo Lico

6 comentários:

  1. O Tejo refletindo a cor do céu... Uma doçura, António.
    Beijo!

    ResponderEliminar
  2. Também não me canso de cantá-la, não sei porque razão... Volto a pôr os meus em Lisboa. Em abril.
    Abraços,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É quase uma missão meu car amigo.
      Abraço e bom Sábado.

      Eliminar