segunda-feira, 17 de março de 2014

Reponho uma poesia do poemário O canto em mim:

De Eros era a rosa

De Eros era a rosa
que em Prometeu
foi Fogo e limo.
depois centelha de vida.
Seria já rosa
o que Pandora
escondia na caixa divina?
Da rosa apenas ficou
a esperança encerrada;
a caixa fechou-se.
Prometeu, eternamente
devorado, e sempre renascido
como o lume que se reacende
e torna fresca a eterna rosa.

António Eduardo Lico

12 comentários:

  1. Em nome da Rosa...a eterna busca e a eterna esperança!
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Belíssimo poema !!!
    Buscar esperanças,sempre !!!!

    ResponderEliminar
  3. Una rosa eternamente fresca, que bonito.

    Abrazos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gracias Rafael. Las rosas se quieren eternamente frescas.
      Abrazos.

      Eliminar
  4. A eterna rosa numa caixa divina...
    Lindo.
    Beijo, Antonio!

    ResponderEliminar
  5. A rosa como metáfora do renascimento trazida à luz da mitologia. Que bela lição de poesia!
    Abraços, caro amigo,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É ferdade caro José Carlos. A simbologia da rosa é antiga e entrelaça-se com a mitologia.
      Abraços.

      Eliminar