quarta-feira, 26 de março de 2014

Uma poesia de Sidónio Muralha:

SONETO IMPERFEITO DA CAMINHADA PERFEITA

Já não há mordaças, nem ameaças, nem algemas
que possam perturbar a nossa caminhada,
em que os poetas são os próprios versos dos poemas
e onde cada poema é uma bandeira desfraldada.

Ninguém fala em parar ou regressar.
Ninguém teme as mordaças ou algemas.
- O braço que bater há-de cansar
e os poetas são os próprios versos dos poemas.

Versos brandos... Ninguém mos peça agora.
Eu já não me pertenço: Sou da hora.
E não há mordaças, nem ameaças, nem algemas

que possam perturbar a nossa caminhada,
onde cada poema é uma bandeira desfraldada
e os poetas são os próprios versos dos poemas.

2 comentários:

  1. É na carne que se faz sentir o poema irrompendo-a na caminhada. Vigoroso o poema do Sidônio.
    Abraços, caro amigo,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um poeta que muito admiro, O Sidónio Muralha.
      Abraço

      Eliminar