segunda-feira, 15 de julho de 2013

Este rio que corre sem águas

reponho uma poesia do poemário Este rio que corre sem águas:

Na margem de um rio, as horas são ainda mais absurdas


As horas são absurdas,
passam, e já não são,
sem deixar de o ser.
Um desconhecido esteta
clama na confluência
do Ser e Não Ser
que o Belo é absurdo
porque é belo em si mesmo,
indiferente ao tempo
e às horas que passam
e já não o são,

sem deixar de o ser.

António Eduardo Lico

8 comentários:

  1. La grandeza del idioma que nos permite diferenciar dos conceptos: ser y estar.
    Precioso !
    Abrazo

    ResponderEliminar
  2. Me gusta porque es bella y profunda.

    Un beso.

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Bom, também pode ser visto assim:
      Boa semana.
      Beijos.

      Eliminar
  4. Que magnífica transfiguração do real no poema. Esta ilusão do passar das horas tão bem tematizada.
    Abraços,

    ResponderEliminar