sexta-feira, 12 de julho de 2013

Uma poesia de Camilo Pessanha:

Imagens que Passais pela Retina

Imagens que passais pela retina
Dos meus olhos, porque não vos fixais?
Que passais como a água cristalina
Por uma fonte para nunca mais!...
Ou para o lago escuro onde termina
Vosso curso, silente de juncais,
E o vago medo angustioso domina,
_ Porque ides sem mim, não me levais?
Sem vós o que são os meus olhos abertos?
_ O espelho inútil, meus olhos pagãos!
Aridez de sucessivos desertos...
Fica sequer, sombra das minhas mãos,
Flexão casual de meus dedos incertos,
_ Estranha sombra em movimentos vãos.

4 comentários:

  1. Optima escolha!!!
    Acho que nunca o publiquei em Cores & Palavras, mea culpa!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre estamos a tempo de corrigir as omissões.
      Abraço.

      Eliminar
  2. Acho que um dos poemas mais lidos do Camilo, da Clepsidra. Acho que as tuas escolhas são sempre tentadoras, para mim, para revê-los.
    Um bom final de semana,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, sem duvida. Trata-se de uma poesia muito apreciada, e com motivos para tal. Camilo Pessanha é um poeta que me convida sempre à releitura.
      Abraço.

      Eliminar