segunda-feira, 13 de maio de 2013

Reponho uma poesia do poemário O canto em mim:


Em Lisboa a claridade é azul

Canto-te Lisboa
e quero-te azul,
como quando o Tejo
é o azul do teu céu.

António Eduardo Lico

12 comentários:

  1. Respostas
    1. Sem dúvida Piedade. Então em Agosto o azul do céu de Lisboa e aluz não tem paralelo ou rival no mundo. Gosto de ver esse azul e essa luz no Cais das Colunas.
      Beijos.

      Eliminar
  2. Uma meiguice esse poema! Beijo, Antonio Eduardo!

    ResponderEliminar
  3. Así es, Lisboa se ve muy bonito, vestido de azul.

    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  4. Me encantaría conocer Lisboa, si es azul, será un placer sentirla.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Si, cuando conocer Lisboa vay a ficar encantada.
      Abrazo.

      Eliminar
  5. Lisboa é sempre cheia de encantos e a simplicidade dos versos contribui ainda mais para o encantamento dessa cidade.
    Abr.,

    ResponderEliminar
  6. "Lisboa, velha cidade, cheia de encanto e beleza"
    não a conheço mas sempre amei a sua alma poética
    cantada em verso e prosa.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando conhecer vai gostar imenso, minha amiga.
      Abraço.

      Eliminar