quarta-feira, 1 de maio de 2013

Uma poesia de Vladimir Maiakovski:

Meu Maio

A todos
Que saíram às ruas
De corpo-máquina cansado,
A todos
Que imploram feriado
Às costas que a terra extenua –
Primeiro de Maio!
Meu mundo, em primaveras,
Derrete a neve com sol gaio.
Sou operário –
Este é o meu maio!
Sou camponês - Este é o meu mês.
Sou ferro –
Eis o maio que eu quero!
Sou terra –
O maio é minha era!

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Sim Sandra, sem dúvida, e no eatdo em que está actualmente o mundo mais necessário se torna..

      Eliminar
  2. Magnífico! Uma bela expressão do sentir a força do trabalho...
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado querida amiga. Foi o que pensei, de facto esta poesia do Maiakoski era mais do apropriada para a data.
      Abraço.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Também penso assim D.Everson. Uma magnífica poesia, que durará para a ternidade.

      Eliminar