quarta-feira, 12 de junho de 2013

Reponho uma poesia do poemário Amanhecer obscuro:


(A rosa de Hiroxima

..mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioativa

Vinicius de Moraes)


Caía do céu, calmamente, segura num paraquedas,
para se fazer rosa mais abaixo.
Ilha de Hondo, delta do rio Ota, Hiroshima!
Sem que o soubesse, Hiroxima, iria render-se
a uma metálica flor que descia do céu
e o seu nome ficaria para sempre escrito
a fogo em todas as flores.
Ai rosa de Hiroxima, rosa de ferro,
rosa sem perfume e sem pétalas,
só nascida em Hiroxima,
como se esperasses por um jardim
em que a chuva é de ruína
e te faz nascer cinzas em vez de pétalas.

António Eduardo Lico

10 comentários:

  1. Espero que ainda on line, obrigado pelos seus comentários. Belo poema sobre essa tragédia da humanidade
    Namibiano

    ResponderEliminar
  2. Hola, Antonio:

    Muchas gracias por tu amistad, por tu constante presencia en mi blog y por la palabras tan amables que me dejas en cada uno de tus comentarios que son muy reconfortantes en éstos momentos de mi vida. Dios te guarde y te bendiga.

    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  3. A triste rosa de Hiroshima...que redundou em morte e causa calafrio.A rosa de Hiroshima...nunca mais!
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Absolutamente de acordo minha amiga, NUNCA MAIS!
      Abraço.

      Eliminar
  4. As imagens do poema sem belíssimas, perfeitas para que não esqueçamos a tragédia que ainda nos assusta.
    Abr., caro amigo,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma tragédia que ainda está presente e para não mais esquecer.
      Abraço.

      Eliminar