domingo, 23 de junho de 2013

Reponho uma poesia do poemário Amanhecer obscuro:


Marinheiros de Lisboa (nas Descobertas)

Eram apenas carne e ossos obscuros
os anónimos marinheiros de Lisboa.
Foram gente famosa, homens de aventura
e ninguém os conhecia, ou veio a conhecer.
Navegavam como se o Tejo nunca acabasse,
carregavam todas as gaivotas, como se
de guitarras se tratasse, e cantavam...

António Eduardo Lico

14 comentários:

  1. "nadie se enteró"...
    navegaban como en un sueño.
    precioso!

    ResponderEliminar
  2. só tinham o querer, não havia a vaidade de aparecer... boniiito, poeta, uma homenagem devida bju de linda semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Luna.
      Bom resto de Domingo e boa semana.
      Bjs.

      Eliminar
  3. Precioso... Me pareció bellísima Lisboa y su barrio de pescadores...

    Un beso.

    ResponderEliminar
  4. "navegar é preciso"...os heróis anônimos das descobertas...bonita lembrança.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, navegar é preciso,
      Bom Domingo e bom início de semana.
      Abraço.

      Eliminar
  5. Que homenagem aos marinheiros como já o fizera Camões. Com uma linguagem só na aparência mais simples... Do lado de cá, tivemos a Carta de Caminha dando conta das novas terras do Brasil graças aos velhos marinheiros...
    Abraço,caro amigo,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, saiu uma homenagem aos marinheiros Caro amigo.
      Abraço e boa semana.

      Eliminar
  6. Antonio..." Los marineros..."

    Tenemos que navegar, seguir andando
    en la vida, por el camino correcto
    ese es nuestro destino.

    ¡¡ interesantes letras !!!

    un beso

    ResponderEliminar
  7. e foram grandes marinheiros ( meu pai inclusive)

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida Piedade. Pai marineiro? Por isso gostas tanto do mar.
      Beijos.

      Eliminar